Publicado por: sosortomolecular | 3 de Novembro de 2015

A importância do SOL e da LUA na saúde humana.

A Importância do Magnésio (sol) e Cálcio (lua) para a Saúde Humana

O equilíbrio entre os nutrientes se faz indispensável na manutenção dos processos biológicos. O cálcio e o magnésio são elementos fundamentais ao organismo que devem ser considerados e ingeridos em quantidades adequadas a fim de impedir patologias em consequência das suas deficiências.

A ingestão adequada de cálcio está diretamente ligada à formação óssea, principalmente nas fases da infância e adolescência. O cálcio é um dos minerais mais importantes no auxilio a maximização da massa óssea, além de contribuir também para a prevenção de riscos de desenvolvimento de osteoporose e de fraturas na vida adulta e terceira idade.

Dessa forma, se as quantidades adequadas de cálcio não estiverem sendo fornecido pela dieta, o cálcio será mobilizado dos ossos para a corrente sanguínea, reduzindo assim seu conteúdo nos ossos e aumentando a fragilidade destes. Por isso, a suplementação é de vital importância (RAMALHO, 1998).

Outro mineral de extrema importância é o magnésio, o qual apresenta um papel fundamental em várias reações biológicas. Entre as suas diversas características pode-se destacar que ele é ativador de sistemas enzimáticos que controlam o metabolismo de carboidratos, lipídeos, proteínas e eletrólitos; influencia a integridade e transporte da membrana celular; regula as contrações musculares e transmissões de impulsos nervosos (RAMALHO, 1998).

Diante dessa importância convém ressaltar ainda que o magnésio é importante para o funcionamento do sistema imune, uma vez que ele é necessário para a realização de inúmeros processos metabólicos de fundamental importância par todas as células do organismo incluindo as células imunes.

Portanto, o cálcio e o magnésio são dois elementos quimicamente semelhantes, contudo são utilizados de maneiras diferentes. O primeiro funciona principalmente fora das paredes das células, já o segundo reside e funciona principalmente dentro das células. Apesar da diferença cada um funciona de forma única no organismo e ambos são necessários para manter o tônus muscular, a contração e o relaxamento adequados.

O cálcio

O cálcio (Ca) é um mineral essencial para o corpo humano, encontra-se envolvido em importantes processos metabólicos, como por exemplo, a coagulação sanguínea, excitabilidade muscular e transmissão dos impulsos nervosos, contração muscular, ativação enzimática e secreção hormonal, tendo como característica principal a mineralização de ossos e dentes.

Carvalho (1999, p. 193) afirma que:

O cálcio (Ca) é o mineral mais abundante no organismo, representando cerca de 1,5 a 2% do peso total do corpo, e está concentrado (99%) nos ossos e nos dentes. Cerca de 1% do Ca ósseo encontra-se disponível para ser mobilizado em eventuais necessidades metabólicas, especialmente em situações de maior demanda como no período de crescimento, na gravidez, na lactação e nos estados carenciais.

O cálcio nos ossos deve estar em equilíbrio com o cálcio no sangue, a regulação do cálcio plasmático é controlada por um complexo sistema fisiológico hormonal envolvendo o hormônio da glândula paratireóide (PTH), ou hormônios como o calcitriol (forma biologicamente ativa da vitamina D), e a calcitonina, agindo nos rins, ossos e intestino, diminuindo ou aumentando a entrada de cálcio no meio extracelular (WILLIAMS, 1997).

De acordo com Magnoni e Cukier (2004, p. 84):

Diversos estudos mostram que conforme as pessoas envelhecem, elas precisam de mais cálcio. Isto se deve em parte a uma eficiência menor de absorção do aparelho digestivo. Uma perda progressiva de 0.5% a 1% ao ano, e esta perda é aumentada em mulheres após a menopausa. Admiti-se que menos de 25% da população adulta apresente consumo adequado de cálcio. A maioria das mulheres recebe menos de 500mg de cálcio através da dieta, quantidade abaixo das recomendações nutricionais de 1ou 1,5g (de 1000 a 1500 miligramas), para mulheres na pré e pós menopausa. Adultos com mais de 70 anos de idade tendem a diminuir a atividade física, a ingestão alimentar e a exposição á luz solar e nestes casos para se obter a quantidade de cálcio ideal é necessária á utilização de suplementos.

Vale ressaltar que vários fatores dificultam o aproveitamento do cálcio nos alimentos, entre estes, a hipocloridria, a ingestão de gorduras em excesso, a hipovitaminose D, a ingestão excessiva de fosfatos (refrigerantes), ácido oxálico (espinafre, folhas de beterraba, chocolate, etc.), ácido fítico (casca dos cereais) e fibras. Além destes existe ainda o estresse e o envelhecimento, devido a deficiência de estrogênio próprio da menopausa.

Carvalho (2006, p. 197) enumera as seguintes funções fisiológicas do cálcio:

  1. a) Componente estrutural dos ossos e dentes;
  2. b) Necessário a contração muscular;
  3. c)  Estabiliza a freqüência cardíaca e a pressão arterial;
  4. d) Importante na neurotransmissão;
  5. e) Fundamental à ativação de vários sistemas enzimáticos;
  6. f)  Ativa diversos hormônios e neurotransmissores;
  7. g) Atua como mensageiro de receptores celulares;
  8. h) Importante para a coagulação sanguínea;
  9. i)  Necessário ao equilíbrio ácido-base do organismo;
  10. j)  Influencia no transporte de vários íons através das membranas celulares.

O quadro abaixo demonstra os fatores que afetam a absorção do cálcio:

AUMENTAM DIMINUEM
Necessidades (crescimento, gravidez, etc) Deficiência de vitamina D (doenças gastrintestinais)
Vitamina D (má absorção) Hipocloridria
Ingestão de lactose, vitamina A e vitamina C Estresse
Meio ácido (Hcl, citrato, vitamina C) Falta de exercício
Ingestão de PTNs e AA (lisina, glicina) Ingestão excessiva de ác. fítico (casca de cereais); AC. Oxálico (espinafre, chocolate, etc)
Ingestão de gorduras (moderada) PTNs e Mg Ingestão elevada de fósforo (refrigerante)
Exercícios físicos Envelhecimento, menopausa

Fonte: Carvalho (1999, p. 195).

Diante do exposto tornou-se notório que o equilíbrio fisiológico do metabolismo do cálcio é de grande importância clínica, por isso sua avaliação deve ser constante e obrigatória, especialmente em pacientes com risco de balanço negativo.

O magnésio

O magnésio é um mineral do meio intracelular, é um cátion divalente cofator para mais de 300 enzimas apresentando um papel fundamental em várias reações biológicas. É ativador de sistemas enzimáticos que controlam o metabolismo de carboidratos, lipídeos, proteínas e eletrólitos; influencia a integridade e transporte da membrana celular; mediador das contrações musculares e transmissões de impulsos nervosos e é Co-fator da fosforilação oxidativa (GRUDTNER; WEINGRILL; FERNANDES, 1997).

Sendo assim, convém ressaltar que o magnésio é indispensável à fixação de cálcio nos ossos, podendo causar ou agravar quadros de osteopenia e osteoporose no adulto e dificultar a calcificação correta dos ossos na infância e adolescência.

Oliveira e Escrivão (2003, p. 190) afirmam que o “magnésio pode atuar de duas maneiras no organismo: a primeira ligando-se ao substrato originando um complexo com o qual a enzima interage e a segunda unindo-se diretamente à enzima modificando sua estrutura com ou sem função catalítica”.

Ainda referenciando Oliveira e Escrivão (2003, p. 195), vale destacar sobre a absorção e excreção do magnésio:

Sua absorção ocorre de30 a50% na ingestão oral, na porção jejunoileal do intestino delgado. Circula ligado à albumina e é armazenado nos ossos (60 a65%), músculos (26%) e o restante em tecidos moles e líquidos corporais (6 a8%). Reabsorvido de forma ativa no néfron e passiva no túbulo proximal. Ocorre excreção urinária (1,4 mg/Kg/dia) e fecal (0,5 mg/Kg/dia). Os rins conservam o magnésio de forma eficiente, em particular quando sua ingestão está baixa. Os efeitos do magnésio podem ser mediados através de sua ação como um antagonista de cálcio ou por ser cofator de sistemas enzimáticos que envolvem o fluxo de sódio e potássio através da membrana celular. Como resultado, ocorre o relaxamento do músculo liso, a inibição da transmissão neuromuscular colinérgica e a estabilização dos mastócitos.

Contudo, não se sabe ao certo quando a administração de magnésio serve simplesmente para corrigir um estado de deficiência ou quando é utilizada a fim de obter-se um efeito farmacológico específico.

Neste contexto, a deficiência de magnésio no organismo pode estar associada a dietas com quantidades insuficientes desse mineral ou devido a outros fatores como alterações da absorção, quadros de stress, exposição a tóxicos (no caso alumínio, chumbo e níquel), deficiência de vitamina B6 ou de boro, ingestão alcoólica, tabagismo e a diversas alterações endócrinas (diabetes, doenças da tireóide e das paratireóides), portanto, a deficiência do magnésio pode levar a sérias alterações bioquímicas e sintomáticas no indivíduo.

Carvalho (1999, p. 202) destaca as seguintes funções fisiológicas do magnésio:

  1. a) Cátion intracelular – depois do potássio é o íon intracelular mais abundante;
  2. b) Relaxamento do tecido muscular – enquanto o cálcio estimula a contração muscular; o Mg estimula o relaxamento;
  3. c) Inibe a agregação plaquetária – aumentando a relação prostaciclina/ tromboxano;
  4. d) Regula o ritmo cardíaco – importante na regulação da excitabilidade muscular;
  5. e) Mantém a permeabilidade vascular – por relaxamento da musculatura lisa dos vasos;
  6. f) Co-fator de várias enzimas – atuando na síntese e função do DNA (síntese protéica e divisão celular), na transferência de fosfatos para a produção de ATP (fosforilação oxidativa), no metabolismo iônico (fosfatase alcalina) e em outras funções essenciais do metabolismo;
  7. g) Participa do metabolismo dos aminoácidos – tal como a piridoxina;
  8. h) Constituinte dos ossos – fixa cálcio nos ossos e nos dentes;
  9. i)  Regula a permeabilidade das membranas celulares – junto com o cálcio;
  10. j) Atua no metabolismo cerebral e na neurotransmissão – participa da síntese de serotonina;
  11. k) Participa do transporte de amônia para o fígado (co-fator da glutaminase) e posterior síntese de uréia (ciclo da ornitina);
  12. l)  Auxilia na absorção de Ca, P, Na e K.

Ainda citando Carvalho (1999, p. 204), o autor demonstra que o magnésio é uma das substâncias mais usadas pela Medicina Ortomolecular e seus efeitos terapêuticos têm aplicação em diversas patologias:

Infarto do miocárdio – dilata as coronárias, provavelmente por relaxamento da musculatura lisa desses vasos, além de melhorar a contratilidade do miocárdio; Angina pectoris – reduz os riscos de espasmo coronariano e inibe a agregação plaquetária; Hipertensão arterial – diminui a pressão por ter efeito vasodilatador; Cardioarritmias – estabilidade do ritmo cardíaco; osteoporose – regula a liberação do paratormônio, evita as calcificações de partes moles que podem advir da terapia com altas doses de cálcio. Doenças articulares – parece ter efeito antiinflamatório; asma brônquica – relaxa musculatura da árvore tráqueo-brônquica durante os ataques de asma; Prevenção de litíase urinária – evita a formação de cálculos de oxalato de cálcio; Síndrome pré-menstrual, dismenorréia – melhora as cólicas, a irritabilidade, a fadiga, a depressão e a retenção hídrica; Insônia – pelo seu efeito relaxante; Epilepsia – vários estudos mostram as propriedades anticonvulsivantes do Mg; Câncer (prevenção) – existe relação positiva entre hipo-magnesiemia e incidência de câncer.

Já Waitzberg (2000) acrescenta outras condições patológicas onde se encontram a hipomagnesemia que são:

  • Doenças gastrointestinais: Doença intestinal inflamatória, doença celíaca, fístulas;
    • Intestinais, infecções gastrointestinais, síndrome do intestino curto, vômitos, diarréia, pancreatite e outras.
    • Distúrbios endócrinos: hipertireoidismo, diabetes melito, hiperparatireoidismo com hipercalemia, hiperaldosterismo;
    • Disfunção renal com perdas urinárias excessivas;
    • Estados hipercatabólicos: traumas, queimaduras;
    • Algumas medicações: cisplatina, antibióticos, nefrotóxicos, diuréticos;
    • Desnutrição protéico-calórica;
    • Nutrição parenteral prolongada;
    • Pós-cirurgia ou transplantes cardíacos;
    • Hipertermia;
    • Uso abusivo de álcool;
    • Exercício físico prologado (↓ Mg sérico);
    • Disfunções Neuromusculares.

Acredita-se que o fornecimento de quantidades adequadas de magnésio seja importante para o funcionamento do sistema imune, uma vez que ele é necessário para a realização de inúmeros processos metabólicos de fundamental importância para todas as células do nosso organismo incluindo as células imunes.

Entre as fontes alimentares, de magnésio, destacam-se os vegetais folhosos verde-escuros e legumes, frutas (caju, banana, figo e maça), mel, cereais integrais, nozes, amendoim e leite.

Tabela 01: Recomendação Nutricional para Magnésio – DRI (Dietary Reference Intake).

FAIXA ETÁRIA MAGNÉSIO (Mg/ dia)
0 – 6 meses 30
7 – 12 meses 75
1 – 3 anos 80
4 – 8 anos 130
9 – 13 anos M: 240 F: 240
14 – 18 anos M:410 F: 360
19 – 30 anos M:400 F:310
31 – 50 anos M:420 F:320
51 – 70 anos M:420 F: 320
>70 anos M:420 F: 320

Fonte: Dietary Reference Intakes Tabe, Food and Nutrition Board,NationalAcademy of Sciences, 2002.

Percebe-se que não existem recomendações especiais para doenças específicas, porém em pacientes que apresentam uma ou mais das condições que aumentam as perdas de magnésio, recomenda-se um acompanhamento sistemático dos níveis sanguíneos, suplementando sempre que necessário.

Referências:

RAMALHO, A. C. R. Farmacologia do cálcio, vitamina D, paratormônio, calcitonina e bifosfonatos. In: SILVA, P. Farmacologia. 5. ed. Rio de Janeiro: 1998.

CARVALHO, Paulo Roberto Carlos de. Medicina Ortomolecular: um guia completo sobre os nutrientes e suas propriedades terapêuticas. 4. ed. Rio de Janeiro: Nova Era, 1999.

MAGNONI D., CUKIER C.. Perguntas e Respostas em Nutrição Clínica. 2. Ed. São Paulo: Roca, 2004.

WILLIAMS, S.R. Fundamentos de Nutrição e Dietoterapia. Porto Alegre: Artes Médicas; 1997.

OLIVEIRA F.L.C.; ESCRIVÃO M.A.M.S. Osteoporose. In Lopes FA, Brasil ALD. Nutrição e dietética em clínica pediátrica. São Paulo, 2003.

GRUDTNER V.S.; WEINGRILL P.; FERNANDES A.L.. Aspectos na absorção no metabolismo do cálcio e vitamina D. Rev. Bras Reumatol 1997 Mai/Jun; 37(3).

WAITZBERG, D. L. Nutrição oral, enteral e parenteral na prática clínica. 3. ed. São Paulo: Ateneu, 2000.


Responses

  1. Olá doutor, sei que vou fazer uma pergunta que não tem muito a ver com esse post mas queria saber uma coisa. Tenho 15 anos minha voz é fina meio afeminada, tenho pelos pubianos, nas axilas e um pouco de barba, meu penis tem 16cm, qual seria o meu problema?

    • Acabo de te responder.

  2. Boa tarde, tenho 15 anos já tenho pelos nas axilas, um pouco de barba e pelos pubianos, meu penis ja se desenvolveu mas minha voz é fina meio afeminada, o que pode ser?

    • Boa noite Henrique
      Continua sendo hormônio, mas precisa fazer uma avaliação melhor ligue (21) 2240-2246 e agende um horário.
      Prof. Paulo Edson


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: